sexta-feira, 17 de agosto de 2007

MADRIGAL ESCRITO NO INVERNO


No fundo do mar profundo
na noite de longas riscas,
como um cavalo atravessa correndo
o teu calado calado nome.

Dá-me lugar no teu ombro, aí, abriga-me,
aparece-me no teu espelho, de repente,
sobre a folha solitária, nocturna,
brotando do escuro, detrás de ti.

Flor da doce luz completa,
acode-me com a tua boca de beijos,
violenta de separaçõe,
determinada e fina boca.

Pois digo-te no mais longe dos longes,
de um esquecimento a outro moram comigo
os carris, o grito de chuva,
o que a escura noite preserva.

Acolhe-me no tear da tarde
quando o anoitecer vai urdindo
o seu vestuário e palpita no céu
uma estrela cheia de vento.

Traze-me a tua ausência, até ao fundo,
pesadamente, com os olhos tapados,
atravessa-me a tua existência, admitindo
que este meu coração está destruído.

Pablo Neruda
Antologia Breve
Tradução: Fernando Assis Pacheco
Públicações D. Quixote

13 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Madrigal da saudade...
Pablo Neruda no mais profundo sentir!!!!
LINDISSIMO!!!!!

Bom dia papagueno!!!!
Bjks

wind disse...

Belo! Mas sou suspeita porque adoro Pablito:)
Beijos

Mário Margaride disse...

Belo!! Pablo Neruda, o meu poeta de eleição.

Um grande abraço!

Um Momento disse...

Pablo neruda...
ADORO!!
Grata por este momento
Beijo de bom fim de semana :))

(*)

Ema Pires disse...

O texto de Pablo Neruda, magnífico como sempre e quase nao perde nada com a traduçao.
Uma imagem que faz sonhar. Lindo, lindo.
Beijinhos

papagueno disse...

Obrigado Ema, a tradução é do Fernando Assis Pacheco e foi uma omissão já corrigida da minha parte.

Papoila disse...

"Entre nós e as palavras há..."
"crianças sentadas que esperam o seu tempo...

Linda declamação

Vou ouvir mais...

Papoila disse...

Esqueci de mandar Beijos

Beijos
BF

Papoila disse...

Sempre uma caixinha...

Não conhecia este do Cesariny e estou deliciada a ouvir.

Bjs
BF

By Alma Nova disse...

Neruda é mais uma obra prima da natureza....e a saudade, aquele sentimento universal, mas que é tão nosso que apenas aqui existe uma palavra para o descrever. Jokitas.

gasolina disse...

Como é bom sentir o cheiro deste poema.

Veste-nos a alma.

Um beijo grande, fica bem.

Maria disse...

Bom caminho se faz sempre para o Bairro do Amor. Eu sei que tu me conheces bem... Boa onda, Pablo Neruda, estava a precisar de ler. Beijinhos. Começa o teu fim-de-semana com estrelas e sol.

pinguim disse...

É realmente este blog um espaço em que uma pessoa se sente bem, ao ler os mais belos poemas dos grandes poetas, por exemplo, como é o caso.
Aproveito para referir que me esqueci de falar no comentário do post seguinte(leio de cima para baixo...) do magnífico poema na voz inigualável do próprio Cesariny.
Abraço.