quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

PODEM IR ESCOLHENDO A MINHA PRENDINHA

Por falar em Natal e televisão, esta é uma daquelas alturas consumistas do ano, em que a TV nos massacra com anúncios de brinquedos e de perfumes. Grande parte dos anúncios são mesmo de fugir, no entanto de vez em quando há alguns que valem mesmo a pena.
Selecionei então alguns anúncios de perfumes que encontrei no You Tube e achei interessantes.

Eu não sou garande adepto do consumismo exagerado, no entanto aproveito para lembrar que estamos na época natalícia, e que estou quase a fazer anos e já estou farto da peúguita da praxe.



Este é o mais lindo de todos, com o delícioso "Good Friday" de Coco Rosie. Aliás os anúncios da Kenzo, no conjunto, são de longe os melhores.



Este só pela música já merecia estar aqui.



Começa com os Pixies e prossegue com alguns clássicos do cinema.
Simplesmente fabuloso!



"Obsession" o anúncio polémico com Eva Mendes.

PEDIDO DE DESCULPAS


A todos os que ainda vão persistentemente passando por aqui e pelos meus outros espaços queria pedir desculpas por esta longa ausência. Podem não ter reparado mas este blogue tem apenas funcionado, digamos,num modo automático. Isto quer dizer que, de vez em quando ponho para aqui um vídeo só para dar uma prova de vida. Assim é e assim vai continuar a ser durante os próximos tempos, pois infelizmente não tenho tempo para nada.

Entetanto pode ser que quando decidir regressar a sério, isto já seja um país em condições; sem "Faces Ocultas", "Freeports", BPNs, escutas nem "Casas Pias". Pode até ser que pela primeira vez um "poderoso", em Portugal, vá parar à cadeia. Ou que o Sporting ganhe o campeonato, quem sabe?


Estamos mais uma vez no Natal, habitualmente a época em que a TV nos massacra com espectáculos circenses. Uma vez que os animais estão proíbidos, parece que o circo se mudou para os lados de S. Bento, pelo menos os "palhaços" não faltaram.
Aliás faço a mesma pergunta que vinha hoje no cartoon do DN: Porque é que a "Tia da Linha" é tratada, na comunicação social, pelos seus quatro nomes, enquanto o "Palhaço", é simplesmente tratado por "deputado do PS"? Realmente isto é um Carnaval em pleno natal.

Finalmente, parece que o PS se prepara para aplevar a Conselho de Ministros, a lei pela qual, é totalmente a favor, mas que votou contra na anterior legislatura. Bem mais vale tarde que nunca, no entanto já podia ter tudo resolvido sem levantar grandes ondas. Agora há que aprovar, à pressa uma lei que fazia parte do programa eleitoral, e que serviu até para ir "pescar" o Miguel Vale de Almeida, o primeiro deputado homossexual eleito para o nosso parlamento. Entretanto vamos lá despachar isto que para o ano vem o Bentinho e não queremos cá chatices fracturantes por essa altura.


Este blogue é habitualmente dedicado à música e às artes em geral, hoje no entanto, apeteceu-me escrever, coisa que nem é muito habitual por aqui.

Volto a repetir o pedido de desculpas pela minha ausência, tanto deste, como dos vossos blogues e desejar desde já a todos um Feliz Natal!


Pera aí!

Eu disse "o primeiro deputado homossexual"? O primeiro assumido, claro!

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

MEMÓRIA DA NOITE - NON NOS HUMILLAREDES NUNCA MAIS!





Madrugada, o porto adormeceu, amor,
a lúa abanea sobre as ondas
piso espellos antes de que saia o sol
na noite gardei a túa memoria.

Perderei outra vez a vida
cando rompa a luz nos cons,
perderei o día que aprendín a bicar
palabras dos teus ollos sobre o mar,
perderei o día que aprendín a bicar
palabras dos teus ollos sobre o mar.

Veu o loito antes de vir o rumor,
levouno a marea baixo a sombra.
Barcos negros sulcan a mañá sen voz,
as redes baleiras, sen gaivotas.

E dirán, contarán mentiras
para ofrecerllas ao Patrón:
quererán pechar cunhas moedas, quizais,
os teus ollos abertos sobre o mar,
quererán pechar cunhas moedas, quizais,
os teus ollos abertos sobre o mar.

Madrugada, o porto despertou, amor,
o reloxo do bar quedou varado
na costeira muda da desolación.
Non imos esquecer, nin perdoalo.

Volverei, volverei á vida
cando rompa a luz nos cons
porque nós arrancamos todo o orgullo do mar,
non nos afundiremos nunca máis
que na túa memoria xa non hai volta atrás:
non nos humillaredes NUNCA MÁIS.

Luar Na Lubre

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

LAZARUS

video

Fiz esta pequena brincadeira, aproveitando o riquíssimo universo gráfico desta banda, para celebrar o seu regresso ao nosso país.
PORCUPINE TREE:
Dia 20 de Novembro na Incrível Almadense
Dia 21 de Novembro no Teatro Sá da Bandeira no Porto.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

SKUNK ANANSIE



Nove anos depois, ela não envelheceu nem um dia, e está ainda mais explosiva.
Um grande concerto!
Hoje à noite à mais no Porto.

Para recordar, "Secretly" de "Post Orgasmic Chill", 1999.

CLAUDE LÉVI-STRAUSS


Um dos maiores nomes de sempre da antropologia moderna faleceu sexta-feira a poucas semanas de completar 101 anos.


Já não há nada para descobrir à face da Terra, o planeta onde, quando nasceu Claude Lévi-Strauss, há quase 101 anos (cumpri-los-ia no dia 28), viviam dois mil milhões de pessoas, e agora é habitado por mais de seis mil milhões. "Para mim, isso representa qualquer coisa de catastrófico", disse ao PÚBLICO em 1999. O antropólogo francês que foi uma das maiores figuras intelectuais do século XX morreu no domingo, foi ontem anunciado.

Tristes Trópicos (Edições 70), o seu livro mais lido, ajudou-o a transcender as fronteiras da Antropologia enquanto ciência e deu-lhe créditos como escritor. Escreveu-o em 1955, já distante das expedições à selva amazónica, entre 1935 e 1939, quando entrou em contacto com tribos que a civilização branca europeia começava a conhecer. Falava do que viveu entre Cadiueus, Bororos, Nambiquaras e Tupi-Cavaíbas e dos seus sentimentos.

"Lévi-Strauss teve sobre mim uma influência considerável. Uma das suas lições foi suprimir do nosso vocabulário a palavra "selvagem"", comentou o escritor francês Michel Tournier, citado pela revista Nouvel Observateur no ano passado, quando o antropólogo comemorou 100 anos de vida (nasceu em Bruxelas, mas era francês).

"Ao fazer-nos compreender e partilhar a singularidadde dos primeiros povos, Lévi-Strauss rompeu com uma visão etnocêntrica da história da humanidade", disse ontem Bernard Kouchner, ministro dos Negócios Estrangeiros francês, e antes disso médico famoso pelo seu trabalho humanitário internacional.

Era conhecido como "o Papa do Estruturalismo", uma corrente de pensamento com raízes na linguística. Usou este método para estudar a mitologia, os sistemas de parentesco nas sociedades primitivas - os "primeiros povos" de que fala Kouchner - ou a preparação da comida.

"O Estruturalismo é um método que vale sempre", frisou o filósofo português José Gil à agência Lusa. Esta corrente de pensamento "continua válida enquanto método".

Judeu da Alsácia, de uma família culta mas com pouco dinheiro, onde a arte e a pintura estavam muito presentes, estudou Direito e Filosofia, apaixonou-se pelo marxismo em adolescente. Mas optou pela Filosofia.

Encontrou a Etnologia num livro de Robert Lowie (especialista no estudo dos índios americanos). Foi essa paixão que lhe valeu um convite para ir ensinar para São Paulo, o que lhe possibilitou as viagens à Amazónia.

Passou a Segunda Guerra Mundial nos Estados Unidos. Lá, teve de mudar de nome: passou a ser o professor Claude L. Strauss. Por causa da marca das calças de ganga, disseram-lhe...

Mas foi a partir de 1955, já em França, que Tristes Trópicos lhe deu fama mundial. Relato de viagem de pendor iniciático, obra filosófica e literária também, tornou-se numa das referências da literatura do século XX, dizia ontem o jornal Libération.

Em dois discursos que foi convidado a fazer na ONU, Raça e História e Raça e Cultura (1952 e 1971), arrasa as pretensões científicas do racismo. Na década de 60, dedicou-se à análise comparativa das mitologias, demonstrando a sua estrutura comum - outra parte da sua obra de influência duradoura. Era um dos últimos grandes intelectuais franceses - "o último dos gigantes", chamou-lhe a Nouvel Observateur.

Notícia: http://www.publico.clix.pt/Mundo/morreu-claude-levistrauss_1408137

domingo, 1 de novembro de 2009

SAD AND BEAUTIFULL WORLD



Mark Linkous dos Sparklehorse era uma das pessoas que António Sérgio convidaria para jantar assim escolhi esta belíssima canção para homenagear o locutor.

O ADEUS A ANTÓNIO SÉRGIO

«Já não é o bichinho da rádio que morde, já sou eu que sou o bicho da rádio!»

Numa altura em que ainda não havia internet para "sacar" músicas ou "MySpace" para conhecer as bandas, era com os amigos, as cassetes emprestadas ou por alguma rádio que se podiam conhecer as tendências musicais mais alternativas.

Por essa altura era sempre um prazer ouvir programas como o Rock em Stock ou o Lança-Chamas, com a voz inconfundível de António Sérgio.


Nesses idos anos 80 a "Rádio Comercial" era a minha grande companhia, e sempre acompanhei o António Sérgio, lembro-me do "Som da Frente" e a Hora do Lobo por exemplo. Foi até a Rádio Comercial começar a fazer jus ao seu nome que deixei de a ouvir. Foi também por esse mesmo motivo que programas de autor, começaram a desaparecer da rádio, substituidos pelas horrendas "playlists" que passam horas sempre a passar as mesmas músicas. Foi essa mesma política que despediu um dos mais carismáticos locutores do meu tempo. Felizmente não lhe faltou emprego pois foi contratado pela "Radar" onde apresentava o programa Viriato 25 e fazia também "voz off" na SIC.
Assim perdemos um dos últimos grandes radialistas portugueses. Já sinto a falta daquela voz inconfundível.

sábado, 31 de outubro de 2009

MEMÓRIA AO ABANDONO


Finalmente, o escritor de canções lança um livro de poesia

«Não são canções, pelo menos as que pratico. Aqui, não há métrica mais ou menos regular (são diferentes implosões e diferentes explosões), não há rima (pode até havê-la, aqui e ali, mas apenas como um acaso que emergiu de um outro todo), e não há, com certeza, uma linha narrativa que se queira reconhecível – há aqui vários poemas que, a bem ver, não repousam em nenhum tema particular, antes cruzam referências e sobretudo memórias daquilo que foi crescendo, em cachos díspares, na minha árvore.»

Sérgio Godinho

Memória ao abandono

Memória ao abandono
a válvula do sono
aberta.
Desdobra panos
Hélice, ela
a grande borboleta
se é por pousar
já pousou -
despejando o vento
na abertura do vulcão
encarninhando a lava
no sentido giratório

Antes
tive medo de ter sono
agora
é planeta a planeta.

Sérgio Godinho
O Sangue por um Fio
Assíro & Alvim, 2009

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

PARABÉNS ASTÉRIX, E NÃO SÓ

Conhecida como a 9.ª Arte, a Banda Desenhada foi muitas vezes menosprezada em relação a outro tipo de literatura, pois estava conotada com o lazer e com a noção de que era leitura para crianças. No entanto aprendi muito com os meus livros de Banda Desenhada; do Tintim ao Corto Maltese, não só aprendi como também viajei em sonhos ao lado desses grandes aventureiros.

2009 é um ano que marca aniversários especiais para alguns dos heróis que fizeram parte das vidas de muitos de nós:


Começo pela Mafalda, a irreverente menina criada por Quino à 25 anos. Além de odiar sopa, continua sempre atenta ao que se vai passando no mundo. Este ano a data foi marcada com a inauguração de uma estátua da Mafaldinha em pleno centro de Buenos Aires.


Mais velhinhos são as personagens criados por Peyo, que eu tanto li na minha infância, embora hoje já não me cativem da mesma maneira. Fez esta semana 51 anos que os "Strumpfs", essas encantadoras criaturas azuis, surgiram nas páginas da Revista Spirou.


Em Julho deste ano foi a divertida, mas por vezes irascível (só quando o Cebolinha se porta mal) Mónica que chegou aos 50 anos. Deve ter feito uma plástica pois ainda tem ar de criança.

Finalmente um dos meus preferidos de sempre, Astérix que fez ontem 50 anos. Para comemorar o aniversário foi lançado um novo álbum, que não é própriamente uma aventura mas quase uma revisão dos 50 anos do herói. Também o "Google" se associou à data como um magnífico "logo":


Tenho todos os livros da colecção, já os li dezenas de vezes, cada uma com um novo olhar. Engraçado, que agora que estudo História, dou comigo a devorar os álbuns com sentido crítico, a reparar nos pormenores da arte e da arquitectura romana e a deliciar-me ainda mais com os anacronismos que tornam a série muito mais divertida.

Para quem sempre se habituou às velhas edições, principalmente da Mériberica, custa-me um bocado ler os nomes traduzidos, mas paciência, foi a opção da ASA. No entanto, para mim o Panoramix, será sempre o Panoramix, assim como Ordralfabetix e Assurancetourix.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

VOLVER A LOS 17

A notícia da morte da cantora Mercedes Sosa chegou sem grande surpresa face ao grave estado de saúde em que "la Negra" se encontrava.
A popular cantora foi, ao lado de Víctor Jara ou Violeta Parra, um dos maiores nomes da canção de protesto da América Latina. Entre os seus maiores sucessos estão exactamente duas versões de Violeta Parra; "Gracias a la Vida" e "Volver a los 17", esta última numa lindíssima versão em dueto com Milton Nascimento.



Volver a los 17

Volver a los diecisiete después de vivir un siglo
Es como descifrar signos sin ser sabio competente,
Volver a ser de repente tan frágil como un segundo
Volver a sentir profundo como un niño frente a dios
Eso es lo que siento yo en este instante fecundo.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

Mi paso retrocedido cuando el de usted es avance
El arca de las alianzas ha penetrado en mi nido
Con todo su colorido se ha paseado por mis venas
Y hasta la dura cadena con que nos ata el destino
Es como un diamante fino que alumbra mi alma serena.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

Lo que puede el sentimiento no lo ha podido el saber
Ni el más claro proceder, ni el más ancho pensamiento
Todo lo cambia al momento cual mago condescendiente
Nos aleja dulcemente de rencores y violencias
Solo el amor con su ciencia nos vuelve tan inocentes.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

El amor es torbellino de pureza original
Hasta el feroz animal susurra su dulce trino
Detiene a los peregrinos, libera a los prisioneros,
El amor con sus esmeros al viejo lo vuelve niño
Y al malo sólo el cariño lo vuelve puro y sincero.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

De par en par la ventana se abrió como por encanto
Entró el amor con su manto como una tibia mañana
Al son de su bella diana hizo brotar el jazmín
Volando cual serafín al cielo le puso aretes
Mis años en diecisiete los convirtió el querubín.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

WAY OUT OF HERE



Enquanto não tenho na mão o novo "The Incident" aqui fica uma recordação do último álbum dos PT com este belíssimo "Way out of Here".

Out at the train tracks
I dream of escape
But a song comes onto my iPod
And I realize it's getting late

I can't take the staring
And the sympathy
And I don't like the questions:
"How do you feel? How's it going in school? Do you wanna talk about it..."

Way out, way out of here
Fade out, fade out, vanish

I'll try to forget you
And I know that I will
In a thousand years
Or maybe a week

I'll burn all your pictures
Cut out your face
And the shutters are down
And the curtains are closed
And I've covered my tracks
Disposed of the car

And I'll try to forget
Even your name
And the way that you look
When you're sleeping, and dreaming of this..

Way out, way out of here
Fade out, fade out, vanish

(Music: Barbieri/Edwin/Harrison/Wilson)
"Fear of a Blank Planet" (2007)

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

DIZEM QUE A PAIXÃO O CONHECEU


dizem que a paixão o conheceu
mas hoje vive escondido nuns óculos escuros
senta-se no estremecer da noite enumera
o que lhe sobejou do adolescente rosto
turvo pela ligeira náusea da velhice

conhece a solidão de quem permanece acordado
quase sempre estendido ao lado do sono
pressente o suave esvoaçar da idade
ergue-se para o espelho
que lhe devolve um sorriso tamanho do medo

dizem que vive na transparência do sonho
à beira-mar envelheceu vagarosamente
sem que nenhuma ternura nenhuma alegria
nunhum ofício cantante
o tenha convencido a permanecer entre os vivos.

Al Berto

domingo, 13 de setembro de 2009

ACROSS THE UNIVERSE



Por falar em Beatles, um belíssimo vídeo, com uma magnífica versão de Rufus Wainwright para "Across the Universe" dos "fab four". O vídeo é lindo e consegue, no meu entender, aliar a obra dos Beatles, à grande voz de Rufus e ao mundo surrealista de Magritte.

sábado, 12 de setembro de 2009

BEATLES REMASTERIZADOS


Esta é a notícia que qualquer bom melómano ansiava:
Os 13 álbums dos Beatles remasterizados: "Please Please Me"; "With the Beatles"; "A Hard Day's Night"; "Beatles for Sale; Help!; Rubber Soul; Revolver; Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band; Magical Mistery Tour; The Beatles ou White Album; Yellow Submarine; Abbey Road; Let it Be e ainda a colectânea Past Masters.

Pela primeira vez o som dos "fab four" surge em grande qualidade digital, da mesma maneira como se Lennon, McCartney, Harrison e Starr tivessem gravado os discos nos dias de hoje. Já podemos olhar para obras-primas como "Revolver", "Sgt. Pepper's" ou o "White Album" com outros ouvidos.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

DAVID

David
Michelangelo Buonarroti (1475-1564)

Foi no dia 8 de Setembro de 1504 que uma das mais famosas obras de arte do mundo foi apresentada em Florença.
Miguel Angelo demorou cerca de 3 anos para concluír a seu David, que foi construído em mármore de Carrara medindo 5,17 m.

A obra tem fascinado o público ao longo destes 505 anos pelo seu fantástico realismo; desde o cabelo revolto ao pormenor de cada músculo ou das veias da mão, tudo é perfeito. A estátua fascina também pelo seu carácter inovador pois, pela primeira vez, o herói bíblico é representado imediatamente antes da batalha contra o gigante Golias, e não após como em obras anteriores de mestres como Donatello (1386-1466) ou Verrocchio (1435-1488). David parece concentrar-se para o combate contra o gigante que todos consideram impossível de bater.

A estátua permaneceu em frente ao Palácio Velho, na Praça da Senhoria até 1873, data em que foi transferida para a Galeria da Academia de belas Artes de Florença. No seu lugar original foi colocada uma cópia.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

O TELESCÓPIO DE GALILEU

Galileu Galilei; Justus Sustermans (1636)

Foi há 400 anos que Galileu abriu uma janela para o Universo. No dia 25 de Agosto de 1609 Galileu Galilei apresentou ao Senado de Veneza a sua nova invenção, o telescópio. Agora o homem podia observar para além das estrelas. Obcecado pela perfeição, não tardou a aperfeiçoar as lentes, a 7 de janeiro de 1610 avistou pela primeira vez 4 das 16 luas de Júpiter: Calisto, Europa, Ganímedes e Io.
Heliocentrismo

Foi também graças ao telescópio que Galileu veio apoiar a teoria heliocêntrica, defendida quase um século antes por Nicolau Copérnico. Galileu, tal como o astrónomo e matemático polaco, acreditava que a Terra e os restantes planetas do sistema solar giravam em torno do Sol. Isto ia contra a doutrina geocêntrica de Aristóteles e Ptolomeu, que estabelecia a Terra como o centro do Universo, tendo o Sol e os restantes corpos celestes a girar à sua volta.

Galileu Enfrenta a Inquisição; Cristiano Banti (1857)


Estas ideias foram consideras heréticas, subversivas e perigosas, pois iam contra a doutrina estabelecida pela igreja. Perseguido pela inquisição, foi julgado pelo Santo Ofício e proíbido de divulgar as suas teorias. Obrigado a renegar aquilo em que acreditava, conseguiu evitar uma pena dura; Galileu viveu num sistema de prisão domiciliária até ao fim dos seus dias. À saída do julgamento terá proferido as palavras que ficaram para a história:

"Eppur si muove" - "No entanto ela move-se"

Da junção das palavras gregas "tele" (ver) e "scopio" (longe), o telescópio foi o objecto que permitiu ao homem mudar a maneira de ver o seu próprio mundo.

Por fim tenho que lembrar Rómulo de Carvalho; o homem de ciência encarnado em corpo de poeta:

Eu queria agradecer-te, Galileu,
a inteligência das coisas que me deste.
Eu,
e quantos milhões de homens como eu
a quem tu esclareceste,
ia jurar - que disparate, Galileu!
- e jurava a pés juntos e apostava a cabeça
sem a menor hesitação -
que os corpos caem tanto mais depressa
quanto mais pesados são.

Pois não é evidente, Galileu?
Quem acredita que um penedo caia
com a mesma rapidez que um botão de camisa ou que um seixo da praia?
Esta era a inteligência que Deus nos deu.

António Gedeão
Excerto de "Poema para Galileu"

domingo, 23 de agosto de 2009

PHIL LYNOTT

He’s just a boy that his lost his way
He’s a rebel that has fallen down
He’s a fool been blown away
To you and me he’s a renegade

He’s a clown that we put down
He’s a man that doesn’t fit
He’s a king but not in this town
To you and me he’s a renegade

But he is a king when he’s on his own
He’s got a bike and that’s his throne
And when he rides he’s like the wind
To you and me he’s a renegade

He’s just a boy who has lost his sights
He’s a stranger, prowls the night
He’s a devil, that’s right
To you and me he’s a renegade

Check it out, check his face
Look at his eyes, they’re so sly
I wonder why he cries from the inside
I wonder why he’s a renegade

Oh please, I’m on my begged bended knees
Oh please, please heed my call
He’s just a boy that has lost his way
He’s just a boy, that’s all
Phill Lynott, Snowy White.

Se fosse vivo, Phill Lynott faria 60 anos no passado dia 20 de Agosto. Foi líder dos Thin Lizzy, uma das grandes bandas de rock dos anos 70 e 80. Além do fabuloso "Live and Dangerous" (1978), destaco na discografia dos Lizzy este "Renegade" de 1981.

Em 1979, Lynott foi fotografado em Lisboa por Ross Halfin; eis as imagens com um cheirinho a PREC:

"Phil Lynott was one of the coolest people you could ever meet"
Ross Halfin

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

A MORTE DA VIRGEM

Michelangelo Merisi da Caravaggio
A Morte da Virgem (1606)

Ela é a virgem,
embora tenha conhecido muitos homens
e os seus filhos peregrinem pelo mundo
com lágrimas nos olhos
por não terem mãe.

Já cadáver, encontrei-a no Tibre,
e trouxe-a para aqui para a pintar,
sabendo que os frades não me irão
indultar a ousadia
– hão-de dizer que a tela é indecorosa
e que no meu trabalho nunca largo
o escândalo que me é próprio,
sempre tocado pela lascívia.

Na bacia de cobre está um preparado
com vinagre
para lavar o corpo da defunta,
sendo que aos pés da morta
é Maria Madalena que se vê,
com a cabeça caída
sobre o peito
por ser fundo o desgosto
de ver a amiga morta
– tinham chegado a Roma
há muito tempo
e conheciam-se
de pequenas aventuras nas tavernas,
sendo que às vezes partilhavam a cama
e os clientes,
ou, sendo caso disso, uma manta
no Inverno,
ou algum pão,
escasso,
o mais das vezes.

No centro da pintura estão três apóstolos.
A razão por que um deles está estupefacto
e ergue a mão direita
tem a ver, somente, com o drama
de a morte ser injusta,
usurpe alguém divino,
ou um miserável que não tenha
onde cair morto.

Mateus,
de todos os apóstolos o mais sábio,
porque estudou nos livros e na vida,
sabe que não há bálsamo eficaz
para quem parte,
por muito que tenha já sofrido;
por isso, o represento assim,
inconformado,
com uma mão aberta, e outra fechada:

a vida é tudo o que nos resta
estando vivos – o que vem a seguir
nunca se sabe que dimensões comporta,
mesmo que haja luz no outro lado
e a promessa de bondade seja cumprida.

Ao lado de Mateus, pintei Tiago,
que presume que a mulher não faleceu,
mas só se encontra adormecida
– se deu à luz, um dia,
e os seus filhos estão aí a comprová-lo,
ainda que dispersos pelo mundo,
é porque o transe da morte ultrapassou,
e dorme, apenas, para que conheça a eternidade
e influencie o céu
com a sua doçura perene de mulher.

O outro é Lucas,
que, a olhar em frente,
está a tentar compreender o que é um corpo,
essa engrenagem obscura,
que, sem álibis,
nos reflecte os métodos de Deus
– que dá, a cada um, um modo de sorrir e de chorar,
um modo de sofrer e de amar,
um modo de nascer e de morrer.

Atrás dos três apóstolos,
está disposto o mundo
– é gente que encontrei pelos mercados
e, em silêncio, dá testemunho
de que há na terra um tempo
em que se deve duvidar do que é certo,
sendo que certa há-de estar sempre a morte,
mas, também, o trabalho que aguarda
pelas nossas mãos,
na oficina,
nos campos
ou em casa.

Um é curtidor de peles,
outro negoceia cereais e vinhos,
outro faz cestos, e vende-os pelas praças,
outro é talhante,
um outro é ferrador e é barbeiro,
outro é astrónomo,
outro copista,
outro é soldado,
e outro pede esmola nas vielas,
a gritar a quem passa por piedade.

O mundo, pois.
Onde esteja a morte
é bom que um pintor figure o mundo,
para que no jogo de sombras fique incluso
esse jogo mais duro do confronto
com a realidade,
onde o próprio veludo tem cores cruas.

É isto que os frades me não perdoam
– o meu desassombramento perante o mundo,
a concisão patente no que faço,
chamando-lhe indecência
e insinuando que vesti de vermelho esta mulher
por gozo pessoal e por volúpia.

Não é verdade.
Antes de mais, porque a encontrei assim.
Depois, porque pensei que numa mulher não há pecado,
seja ela quem for e de onde venha.
Por último, porque tratando-se da virgem,
só mesmo o sangue a pode vestir,
o sangue espesso e forte,
de modo que quem olhar esta pintura
saiba o que vê, imediatamente:

uma mãe
que o sofrimento jamais abandonou,
em tudo o que viveu
– os perigos que há ao dar à luz,
a fuga para o Egipto,
a ameaça concreta no Sinédrio,
a árdua resistência necessária
para perscrutar em qualquer cruz
a iniquidade que o destino alcança.

Inchado,
maculado,
desfigurado
tem o seu rosto esta mulher morta,
adormecida.

E eu sou Caravaggio,
que luto, denodadamente, com a arte
para que a tragédia,
sagrada ou profana,
se represente igual à sua gravidade,
cantem, ou não, os anjos as hossanas,
goste-se, ou não se goste, do que faço.

A vida é turbulência
– e é assim que chega às minhas telas,

e é assim que o que pinto,
entre claros e escuros,
me proclama.

Amadeu Baptista
"Poemas de Caravaggio".

Originalmente encomendada para a Igreja de Santa Maria della Scala em Travestere; "A Morte da Virgem" acabaria por ser recusada quando se soube que o famoso pintor teria usado como modelo da mãe de Cristo uma prostituta morta encontrada a flutuar no Rio Tibre.

sábado, 15 de agosto de 2009

WOODSTOCK, 40 ANOS


Woodstock 40 anos, ao som de Canned Heat

Há 40 anos ainda havia quem acreditasse que era possível mudar o mundo. Hoje é essa geração que está no poder...

Woodstock foi há 40 anos. Nos muitos festivais que há hoje seria possível repetir este espírito de música amor e liberdade? Seria possível ir ao Sudoeste e ver jovens a dançar nus ao som da sua banda favorita?

Jimi Hendrix, simplesmente fabuloso.

sábado, 8 de agosto de 2009

domingo, 5 de julho de 2009

FÁBULA


Estavam ali diante dos meus olhos: era terrível e ao mesmo tempo fascinante.
Ao princípio pensei que ele a estava a matar, logo a seguir percebi que não, que talvez ambos estivessem a morrer, só depois qualquer apelo misterioso e distante se fez carne em mim. Então todo eu fiquei amarrado aos seus gestos, àquela respiração fatigada e difícil, àquele balbucio que lhes saía ralo da boca.

Os seios de Maria caíam nus da blusa. Uma das mãos do carpinteiro perdia-se nos seus cabelos emaranhados, a outra parecia ter-se enterrado na areia. O resto era aquele corpo todo de homem fremente e quase hirto, ao mesmo tempo, à força de concentrar todo o ímpeto nas nádegas, arco de onde a flecha partia, para se cravar exasperada nas entranhas ardentes e sombrias da rapariga. Parecia um cavalo ofegante – os olhos cerrados, o suor escorrendo da raiz dos cabelos, espalhando-se pelas costas, pelos flancos, pelas pernas, quase todas descobertas. Um cavalo cego mordendo o céu branco de agosto. Mas a voz da terra chamou-o, e um relincho prolongado encheu o leito do ribeiro, morreu no alto dos amieiros. Por fim, a paz desceu ao mundo.

Maria olhava o carpinteiro com uns olhos rasos de espanto, como quem tivesse perdido tudo naquele instante. Lentamente passou-lhe a mão pelo cabelo, numa carícia tímida, e começou a chorar. O carpinteiro olhou-a também, mas os seus olhos eram diferentes, havia neles sombra e solidão. Eram uns olhos nocturnos, negros como poços fundos, que afirmavam a morte.

Sem uma palavra, o homem ergueu-se e começou a mijar. A rapariga levantou-se a seguir e, de costas, parecia limpar as pernas. Eu escondi-me melhor atrás dos amieiros, não vi mais nada. Senti os passos de ambos afastarem-se, cada um para seu lado, com o coração pequeno, apertado. De um salto, atirei-me à cama que os seus corpos haviam feito na areia, respirando avidamente, como se o ar pudesse trazer-me mais do que o cheiro morno e acidulado da urina, e deixei de perceber os passos já distanciados, o estalar dos ramos secos aqui e ali, para só ouvir o silêncio.

Era um silêncio no areal, nas árvores, nas nuvens. Um silêncio na tarde, na rua, nas casas. Um silêncio no pão, na água. Um silêncio que se tornava dia a dia mais pesado mais devorador.
Um silêncio feito dos seios de Maria, dos flancos suados do carpinteiro, que me despertava a carne durante a noite, me fechava os olhos pela madrugada, me dava vontade de fugir durante o dia.

Eugénio de Andrade.
Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica
Selecção, prefácio e notas de Natália Correia.
3.ª Edição (2005), Antígona
Imagem:
Daphnis and Chloe (1890)
Ilustração de Raphaël Collin

quinta-feira, 2 de julho de 2009

BRINCANDO COM A ARTE



Obras retratadas:
O Cristo Morto (140-1490); Andrea Mantegna
S. Sebastião (1480); Andrea mantegna
A Morte de Marat (1793); Jacques-Louis David

quarta-feira, 1 de julho de 2009

ESTADOS DE ALMA

Sappho (1877)
Charles Menguin


Não sei o que fazer: o meu coração está
dividido.

*

A Lua e as Pléiades estão deitadas, o tempo
passa e estou sozinha no meu leito, no
meio da noite.

*

As crianças trazem bonitos presentes e
ouve-se tocar melodiosa lira.

*

Mas a velhice já enrugou toda a minha
pele, os meus cabelos negros tornaram-se
brancos, os joelhos já não me aguentam, e
eu que parecia uma corça.

*

Que posso fazer? É inevitável: a aurora de
braços rosados leva-nos para a cova. Mas eu
ainda amo a volúpia e o amor tem para mim
o brilho e a beleza do sol.

*

Eu estremeço e a velhice já cobre a minha
pele.
o amor evade-se na perseguição dos jovens.

Agarra na tua lira e canta-nos, Afrodite,
com os seios cobertos de violetas.

Safo, "O desejo"
Trad. Serafim Ferreira
Editorial Teorema, 2003

terça-feira, 30 de junho de 2009

A ARTE DE PINA BAUSCH



Imagens: Muller Café e Iphigenie auf Tauris

sábado, 27 de junho de 2009

UM FIM DE TARDE PERFEITO


Rita Redshoes junto aos Armazéns do Chiado.

LA TERREMOTO DE ALCORCÓN



O terremoto sul-americano vai dar Arraial lá para os lados de Belém.
Até a Madonna morre de vergonha.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

STRAVINSKY E BÉJART





Hoje, como muito bem lembra o Google, comemoram-se os 127 anos do nascimento de Igor Stravinsky.

Oportunidade para recordar um dos maiores coreógrafos de sempre; Maurice Béjart (1907-2007)
O coreógrafo francês foi o homem que no dia 6 de Junho de 1968, em pleno Coliseu dos Recreios, anunciou o assassinato de Robert Kennedy. Após um duro discurso contra todas as ditaduras seguiu-se um ensurdecedor minuto de silêncio. Nessa mesma noite, a PIDE foi buscá-lo ao seu quarto de hotel e só largou na fronteira com Espanha. Logo após o 25 de Abril regressa a Portugal para apresentar o mesmo espectáculo; Romeu e Julieta.
Em 1998 foi agraciado pelo Presidente Jorge Sampaio com a Ordem do Infante D. Henrique. Viria a falecer em Lausanne a 22 de Novembro de 2007.


Para a história ficam belas coreografias como esta Sagração da Primavera, Romeu e Julieta ou o inesquecivel Bolero de Ravel imortalizado na fabulosa sequência final do filme de Claude Lelouch Les uns et les autres (1981).

Le Sacre du Printemps é um bailado em dois actos que conta a história de uma jovem imolada ao deus da Primavera, num ritual para trazer boas colheitas à tribo.
A música composta por Stravinsky foi algo de completamente revolucionário para a época e marcou a entrada no modernismo. O bailado estreou no Teatro dos Campos Elíseos em 1913 e foi brindado com uma vaia monumental.

Aqui está um excerto da coreografia de Béjart Para a Sagração da Primavera; Um bailado vivo e pleno de sensualidade tal como era seu timbre.

sábado, 30 de maio de 2009

CHICKEN À LA CARTE


Curta-metragem que ganhou o primeiro prémio no Festival Internacional de Berlim 2006.

São 6 minutos a lembrar-nos o mundo de contrastes em que vivemos.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

UM DIA TRISTE PARA QUEM GOSTA DE CINEMA

João Bénard da Costa
7 de Fevereiro de 1935 - 21 de Maio de 2009




João Bénard da Costa morreu hoje, aos 74 anos. Divulgador de cinema, director da Cinemateca Portuguesa desde 1991, Bénard da Costa nasceu a 7 de Fevereiro de 1935.

A Cinemateca Portuguesa anunciou em comunicado que o corpo do seu director, João Bénard da Costa, estará na Igreja de S. Sebastião da Pedreira, em Lisboa, ao final da tarde de hoje. Numa última homenagem ao cinéfilo que dirigiu a instituição desde 1991 (e que era membro da direcção desde 1980), a Cinemateca – que suspende hoje as suas sessões – vai projectar, em data e hora a anunciar, o filme da vida de Bénard: Johnny Guitar, de Nicholas Ray. Num inquérito de jornal em que lhe pediam para dizer qual o seu filme preferido, Bénard respondia: Johnny Guitar, de Nicholas Ray; porque era ele; porque era eu”.

Notícia: Público

Uma cena de "Johnny Guitar" em Cinema Paraíso

quarta-feira, 20 de maio de 2009

AMÁLIA HOJE - GAIVOTA



A belíssma voz de Sónia Tavares dá um brilho especial a esta versão de "Gaivota", famoso tema escrito por Alexandre O'Neill, musicado por Alain Oulman e imortalizado por Amália Rodrigues.

"Amália Hoje" é um projecto liderado por Nuno Gonçalves dos The Gifte conta com as participações de Sónia Tavares, vocalista dos The Gift; Fernando Ribeiro, vocalista dos Moonspell e Paulo Praça ex-Turbo Junkie e Plaza.

Sinceramente estou ansioso por ter o CD na mão para ouvir a versão de "Grito" cantada em dueto entre a Sónia e o Fernando.

Alinhamento:

Fado Português (Sónia Tavares)
Grito (Fernando Ribeiro/Sónia Tavares)
Gaivota (Sónia Tavares)
Nome da Rua (Paulo Praça)
Formiga Bossa Nova (Fernando Ribeiro/Paulo Praça)
Medo (Sónia Tavares)
Abandono (Paulo Praça)
L`important c`est la rose (Paulo Praça/Fernando Ribeiro)
Foi Deus (Sónia Tavares)

sábado, 16 de maio de 2009

HOMERO


A primeira vez que li este texto era pequenino, devia ter oito ou nove anos, foi num livro de Português da primária e nunca o esqueci.

HOMERO

Quando eu era pequena, passava às vezes pela praia um velho louco e vagabundo a quem chamavam o Búzio.

O Búzio era como um monumento manuelino: tudo nele lembrava coisas marítimas. A sua barba branca e ondulada era igual a uma onda de espuma. As grossas veias azuis das suas pernas eram iguais a cabos de navio. O seu corpo parecia um mastro e o seu andar era baloiçado como o andar dum marinheiro ou dum barco. Os seus olhos, como o próprio mar, ora eram azuis, ora cinzentos, ora verdes, e às vezes mesmo os vi roxos. E trazia sempre na mão direita duas conchas. Eram daquelas conchas brancas e grossas com círculos acastanhados, semi-redondas e semitriangulares, que têm no vértice da parte triangular um buraco.

O Búzio passava um fio através dos buracos, atando assim as duas conchas uma à outra, de maneira a formar com elas umas castanholas. E era com essas castanholas que ele marcava o ritmo dos seus longos discursos cadenciados, solitários e misteriosos como poemas.

O Búzio aparecia ao longe. Via-se crescer dos confins dos areais e das estradas. Primeiro julgava-se que fosse uma árvore ou um penedo distante. Mas quando se aproximava via-se que era o Búzio. Na mão esquerda trazia um grande pau que lhe servia de bordão e era seu apoio nas longas caminhadas e sua defesa contra os cães raivosos das quintas. A este pau estava atado um saco de pano, dentro do qual ele guardava os bocados do pão que lhe davam e os tostões. O saco era de chita remendada e tão desbotada que quase se tornara branca.

O Búzio chegava de dia, rodeado de luz e de vento, e dois passos à sua frente vinha o seu cão, que era velho, esbranquiçado e sujo, com o pêlo grosso, encaracolado e comprido e o focinho preto. E pelas ruas fora vinha o Búzio com o sol na cara e as sombras trémulas das folhas dos plátanos nas mãos. Parava em frente duma porta e entoava a sua longa melopeia ritmada pelo tocar das suas castanholas de conchas. Abria-se a porta e aparecia uma criada de avental branco que lhe estendia um pedaço de pão e dizia:

- Vai-te embora, Búzio.

E o Búzio, demoradamente, desprendia o saco do seu bordão, desatava os cordões, abria o saco e guardava o pão. Depois de novo seguia. Parava debaixo de uma varanda cantando, alto e direito, enquanto o cão farejava o passeio. E na varanda debruçava-se alguém rapidamente, tão rapidamente que o seu rosto nem se mostrava, e atirava-lhe um tostão e dizia:

- Vai-te embora, Búzio.

E o Búzio demoradamente - tão demoradamente que cada um dos seus gestos de via - desprendia o saco do pau, desatava os cordões, abria o saco, guardava o tostão, e de novo fechava o saco e o atava e o prendia. E seguia com o seu cão.

Havia na terra muitos pobres que apareciam aos sábados em bandos acastanhados e trágicos, e que pediam esmola pelas portas e faziam pena. Eram cegos, coxos, surdos e loucos, eram tuberculosos cuspindo sangue nos trapos, eram mães escanzeladas de filhos quase verdes, eram velhas curvadas e chorosas com as pernas incrivelmente inchadas, eram rapazes novos mostrando chagas, braços torcidos, mãos cortadas, lágrimas e desgraça. E sobre o bando pairava um murmúrio incansável de gemidos, queixas, rezas e lamentações. Mas o Búzio aparecia sozinho, não se sabia em que dia da semana, era alto e direito, lembrava o mar e os pinheiros, não tinha nenhuma ferida e não fazia pena. Ter pena dele seria como ter pena de um plátano ou de um rio, ou do vento. Nele parecia abolida a barreira que separa o homem da natureza.

O Búzio não possuía nada, como uma árvore não possui nada. Vivia com a terra toda que era ele próprio. A terra era sua mãe e sua mulher, sua casa e sua companhia, sua cama, seu alimento, seu destino e sua vida. Os seus pés descalços pareciam escutar o chão que pisavam.

E foi assim que o vi aparecer naquela tarde em que eu brincava sozinha no jardim. A nossa casa ficava à beira da praia. A parte da frente, virada para o mar, tinha um jardim de areia. Na parte de trás, voltada para leste, havia um pequeno jardim agreste e mal tratado, com o chão coberto de pequenas pedras soltas, que rolavam sob os passos, um poço, duas árvores e alguns arbustos desgrenhados pelo vento e queimados pelo sol.

O Búzio, que chegou pelo lado de trás, abriu a cancela de madeira, que ficou a baloiçar, e atravessou o jardim, passando sem me ver. Parou em frente da porta de serviço e ao som das suas castanholas de conchas pôs-se a cantar. Assim esperou algum tempo. Depois a porta abriu-se e no seu ângulo escuro apareceu um avental.

Visto de fora, o interior da casa parecia misterioso, sombrio e brilhante. E a criada estendeu um pão e disse:

- Vai-te embora, Búzio.

Depois fechou a porta. E o Búzio, sem pressa, demoradamente como que desenhando na luz cada um dos seus gestos, puxou os cordões, abriu o saco, tornou a atar o saco, prendeu-o no pau e seguiu com o seu cão. Depois deu a volta à casa, para sair pela frente, pelo lado do mar.

Então eu resolvi ir atrás dele. Ele atravessou o jardim de areia coberto de chorão e lírios do mar e caminhou pelas dunas. Quando chegou ao lugar onde principia a curva da baía, parou. Ali era já um lugar selvagem e deserto, longe de casas e estradas.

Eu, que o tinha seguido de longe, aproximei-me escondida nas ondulações da duna e ajoelhei-me atrás de um pequeno monte entre as ervas altas, transparentes e secas. Não queria que o Búzio me visse, porque o queria ver sem mim, sozinho.

Era um pouco antes do pôr do sol e de vez em quando passava uma pequena brisa. Do alto da duna via-se a tarde toda como uma enorme flor transparente, aberta e estendida até aos confins do horizonte. A luz recortava uma por uma todas as covas da areia. O cheiro nu da maresia, perfume limpo do mar sem putrefacção e sem cadáveres, penetrava tudo. E a todo o comprimento da praia, de norte a sul, a perder de vista, a maré vazia mostrava os seus rochedos escuros cobertos de búzios e algas verdes que recortavam as águas. E atrás deles quebravam incessantemente, brancas e enroladas e desenroladas, três fileiras de ondas que, constantemente desfeitas, constantemente se reerguiam.

No alto da duna o Búzio estava com a tarde. O sol pousava nas suas mãos, o sol pousava na sua cara e nos seus ombros. Ficou algum tempo calado, depois devagar começou a falar. Eu entendi que falava com o mar, pois o olhava de frente e estendia para ele as suas mãos abertas, com as palmas em concha viradas para cima. Era um longo discurso claro, irracional e nebuloso que parecia, com a luz, recortar e desenhar todas as coisas. Não posso repetir as suas palavras: não as decorei e isto passou-se há muitos anos. E também não entendi inteiramente o que ele dizia. E algumas palavras mesmo não as ouvi, porque o vento rápido lhas arrancava da boca. Mas lembro-me de que eram palavras moduladas como um canto, palavras quase visíveis que ocupavam os espaços do ar com a sua forma, a sua densidade e o seu peso. Palavras que chamavam pelas coisas, que eram o nome das coisas. Palavras brilhantes como as escamas de um peixe, palavras grandes e desertas como praias. E as suas palavras reuniam os restos dispersos da alegria da terra. Ele os invocava, os mostrava, os nomeava: vento, frescura das águas, oiro do sol, silêncio e brilho das estrelas.

Sophia de Mello Breyner Andresen
Homero
in Contos Exemplares,

sexta-feira, 15 de maio de 2009

segunda-feira, 4 de maio de 2009

KONIEC

Vasco Granja (1925-2009)

Quantos de nós não se apaixonaram pela Banda Desenhada ao ler os textos que ele escrevia na Revista Tintin?
Quem é que não aprendeu a dizer "fim" em polaco?
Se hoje gosto de BD a ele o devo, Vasco Granja foi um dos homens que mais marcou as crianças da minha geração.

Bons tempos em que tinha que gramar as animações de Leste para depois ver o Bugs Bunny ou a Pantera Cor-de-Rosa. Ainda adoro o Bugs e a Pantera, mas aprendi a ver e a gostar dos outros.




Bons tempos em que tinha que gramar as animações de Leste para depois ver o Bugs Bunny ou a Pantera Cor-de-Rosa. Ainda adoro o Bugs e a Pantera, mas aprendi a ver e a gostar dos outros.
Este genérico do filme "A Pantera Cor-de-Rosa" é fabuloso, talvez até melhor que o próprio filme. Pena que Hollywood tenha perdido a tradição dos grandes genéricos no cinema.

sábado, 25 de abril de 2009

25 DE ABRIL


Apesar da triste situação a que chegou a nossa "democracia" vale sempre a pena comemorar este dia.

domingo, 12 de abril de 2009

STABAT MATER


Stabat Mater dolorosa
Juxta Crucem lacrimosa,
Dum pendebat Filius.


Aproveitando este período pascal deixo-vos um vídeo com uma música belíssima do compositor italiano Giovanni Battista Pergolesi. O Stabat Mater é um hino medieval que, pungentemente, canta a dor de Maria, mãe de Jesus, perante o sofrimento do seu filho pendurado na cruz.

Este é um dos prazeres de se estudar a a arte e a cultura da Idade Média.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

BOA PÁSCOA

Lamentação, Giotto di Bondonne (1266-1337)
Fresco da Capella degli Strovegni, Pádua


Meus amigos desculpem pela ausência mas ando mesmo sem tempo.
Com ou sem tempo desejo uma


PÁSCOA FELIZ PARA TODOS!

sábado, 21 de março de 2009

QUASE UM POEMA DE AMOR


Porque hoje é o Dia Mundial da poesia...

Há muito tempo já que não escrevo um poema
De amor.
E é o que eu sei fazer com mais delicadeza!
A nossa natureza
Lusitana
Tem essa humana
Graça
Feiticeira
De tornar de cristal
A mais sentimental
E baça
Bebedeira.

Mas ou seja que vou envelhecendo
E ninguém me deseje apaixonado,
Ou que a antiga paixão
Me mantenha calado
O coração
Num íntimo pudor,
--- Há muito tempo já que não escrevo um poema
De amor

Miguel Torga, Poesia Completa
Publicações D. Quixote, 2000

domingo, 15 de março de 2009

ULISSES E AS SEREIAS

Ulisses e as Sereias (1909)
Herbert James Draper (1864-1920)

"Vem até nós, famoso Ulisses, glória maior dos Aqueus!
pára a nau, para que nos possas ouvir! pois nunca
por nós passou nenhum homem na sua escura nau
que não ouvisse primeiro o doce canto das nossas bocas;
depois de se deleitar, prossegue caminho, já mais sabedor.
Pois nós sabemos todas as coisas que na ampla Tróia
Arguivos e Troianos sofreram pela vontade dos deuses;
e sabemos todas as coisas que aconteceram na terra fértil."

Homero, Odisseia, Canto XII
Tradução de Frederico Lourenço
Edições Cotovia, 2003

sábado, 14 de março de 2009

IX OFICINA DE HISTÓRIA - MEMÓRIAS DO CAMPO GRANDE


Uma Oficina especial para a Comunidade, com a Comunidade e pela Comunidade


Dia 20 de Março, 18.00h - 21.00h
No Auditório Vitor de Sá da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
Programa:

18:30 – Recepção dos Participantes (pelo Núcleo Lusófono da História)
18:45: Inauguração da IXª. Oficina de História pelo Prof. Doutor Mário Moutinho (Reitor, ULHT)
e apresentação do projecto: Memórias da Cidade – O Campo Grande - Professor Doutor Teotónio R. de Souza (Director do Curso de História)
19.00 – Doutora Luísa Mellid-Franco Monteiro (Directora do GEO) e assinatura do Acordo de Parceria entre o GEO e a COFAC/ULHT
19.30 – Doutora Maria de Jesus Barroso
19: 45 – Directora do Museu da Cidade
20:00 – Valdemar Salgado (Presidente da Freguesia de Campo Grande)
20:15 – Padre Victor Feitor Pinto (Pároco da Igreja do Campo Grande)
20.30 – Soares Franco (Presidente do Sporting Clube de Portugal)
20.45 – Comandante do Regimento de Sapadores Bombeiros do Campo Grande
21. 00 – Distribuição de Certificados do Seminário de Introdução à Genealogia e à Heráldica
21. 15 – Encerramento.

Organização: Curso de História/Centro de História, Memória e Sociedade/ Núcleo Lusófono de História.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

A ORIGEM DO MUNDO

Gustave Courbet (1819-1877) L'origine du monde
(A origem do mundo), 1866
Óleo sobre tela; (46x55), Musée D'Orsay, Paris, França.



Eu sei que a obra de Courbet pode ser chocante, aliás era mesmo essa a intenção do pintor, agora considerá-la pornográfica é demais. Admito que as autoridades pudessem recomendar alguma discrição, agora apreender os livros e chamar-lhes pornográficos é um pouco demais.

No entanto isto abre espaço para uma discussão já antiga; quais são os limeites do erótico e do pornográfico? Onde está a fronteira entre o belo e o grotesco?

A Origem do Mundo é uma obra do pintor Gustave Courbet que está despudoradamente exposta no Musée D'Orsay em Paris.

Depois do triste caso do Magalhães carnavalesco, espero que não se esteja a criar uma policia de costumes à boa maneira salazarenta.

Depois de publicar aqui o quadro de Courbet, espero que amanhã o blogue não apareça com um aviso de conteúdo impróprio para menores de 18 anos.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

DE VOLTA AOS LIVROS


Meus amigos, peço desculpa por não vos poder visitar ou responder aos vossos comentários mas ando mesmo com falta de tempo. Amanhã regressa a luta com o início do segundo semestre.

Um abraço a todos.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

LETS DO IT, LET'S FALL IN LOVE


Birds do it, bees do it
Even educated fleas do it
Let's do it, let's fall in love

In Spain, the best upper sets do it

Lithuanians and Latts do it
Let's do it, let's fall in love

The Dutch in old Amsterdam do it
Not to mention the Fins
Folks in Siam do it - think of Siamese twins

Some Argentines, without means, do it
People say in Boston even beans do it
Let's do it, let's fall in love

Romantic sponges, they say, do it
Oysters down in oyster bay do it
Let's do it, let's fall in love

Cold Cape Cod clams, 'gainst their wish, do it
Even lazy jellyfish, do it
Let's do it, let's fall in love

Electric eels I might add do it
Though it shocks em I know
Why ask if shad do it - Waiter bring me
"shad roe"

In shallow shoals English soles do it
Goldfish in the privacy of bowls do it
Let's do it, let's fall in love

Ella Fitzgerald
"The Cole Porter Song Book"

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

PARABÉNS DARWIN!


Se fosse vivo, como se riria o naturalista Charles Darwin de todos aqueles que o criticaram e ridicularizaram.
Nos nossos dias a Evolução é aceite em quase todo o mundo, no entanto o conflito entre criacionistas e evolucionistas ainda é uma realidade, isto apesar das provas serem cada vez mais evidentes do Evolucionismo; desde o desenvolvimento da paleontologia e do estudo dos fósseis na segunda metade do século XIX às grandes inovações na área da genética que tiveram o seu auge em 1953, com a descoberta da estrutura da molécula de ADN por Watson e Crick, que as ideias do naturalista inglês deixaram de ser uma teoria e passaram à certeza.
Mesmo assim, o criacionismo ainda tem bastante força, ferozmente defendido por diversas religiões e mesmo por grande parte da população dos Estados Unidos, um dos países científicamente mais desenvolvidos do mundo.


2009 é o ano de Darwin; além dos 150 anos da publicação da "Origem das Espécies", comemoram-se hoje os duzentos anos do seu nascimento, portanto:

PARABÉNS DARWIN!

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

DEDICATÓRIA


Não
te ofereço
a rosa
mas
o nome
da rosa

que
serviria
meu amor
oferecer-te
a rosa
se dura
a rosa
pouco mais
que o tempo
em que te
digo rosa?

Não te
ofereço
a rosa
mas
o nome
meu amor
do amor
da rosa
eco
do que te digo
repetido
e mais rosa
te ofereço
se é
rosa
o que redigo

(rosa por cem vezes repetido)

do que
te dar
a rosa
que
não
dizendo
então
de amor
desdigo

Rita Taborda Duarte

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

UMA CANTIGA DE AMOR



Quer'eu em maneira de proençal
fazer agora un cantar d'amor,
e querrei muit'i loar mia senhor
a que prez nen fremusura non fal,
nen bondade; e mais vos direi en:
tanto a fez Deus comprida de ben
que mais que todas las do mundo val.

Ca mia senhor quiso Deus fazer tal,
quando a faz, que a fez sabedor
de todo ben e de mui gran valor,
e con todo est'é mui comunal
ali u deve; er deu-lhi bon sen,
e des i non lhi fez pouco de ben,
quando non quis que lh'outra foss'igual.

Ca en mia senhor nunca Deus pôs mal,
mais pôs i prez e beldad'e loor
e falar mui ben, e riir melhor
que outra molher; des i é leal
muit', e por esto non sei oj'eu quen
possa compridamente no seu ben
falar, ca non á, tra-lo seu ben, al.

D. Dinis, Rei de Portugal e um dos maiores poetas do seu tempo.