quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

UMA CANTIGA DE AMOR



Quer'eu em maneira de proençal
fazer agora un cantar d'amor,
e querrei muit'i loar mia senhor
a que prez nen fremusura non fal,
nen bondade; e mais vos direi en:
tanto a fez Deus comprida de ben
que mais que todas las do mundo val.

Ca mia senhor quiso Deus fazer tal,
quando a faz, que a fez sabedor
de todo ben e de mui gran valor,
e con todo est'é mui comunal
ali u deve; er deu-lhi bon sen,
e des i non lhi fez pouco de ben,
quando non quis que lh'outra foss'igual.

Ca en mia senhor nunca Deus pôs mal,
mais pôs i prez e beldad'e loor
e falar mui ben, e riir melhor
que outra molher; des i é leal
muit', e por esto non sei oj'eu quen
possa compridamente no seu ben
falar, ca non á, tra-lo seu ben, al.

D. Dinis, Rei de Portugal e um dos maiores poetas do seu tempo.

2 comentários:

Vasco Matos disse...

Excelente escolha, sobretudo quando os nossos poetas deste período estão tão esquecidos. Abraço!

wind disse...

Fizeste-me lembrar os tempos do liceu:)
Beijos