terça-feira, 25 de agosto de 2009

O TELESCÓPIO DE GALILEU

Galileu Galilei; Justus Sustermans (1636)

Foi há 400 anos que Galileu abriu uma janela para o Universo. No dia 25 de Agosto de 1609 Galileu Galilei apresentou ao Senado de Veneza a sua nova invenção, o telescópio. Agora o homem podia observar para além das estrelas. Obcecado pela perfeição, não tardou a aperfeiçoar as lentes, a 7 de janeiro de 1610 avistou pela primeira vez 4 das 16 luas de Júpiter: Calisto, Europa, Ganímedes e Io.
Heliocentrismo

Foi também graças ao telescópio que Galileu veio apoiar a teoria heliocêntrica, defendida quase um século antes por Nicolau Copérnico. Galileu, tal como o astrónomo e matemático polaco, acreditava que a Terra e os restantes planetas do sistema solar giravam em torno do Sol. Isto ia contra a doutrina geocêntrica de Aristóteles e Ptolomeu, que estabelecia a Terra como o centro do Universo, tendo o Sol e os restantes corpos celestes a girar à sua volta.

Galileu Enfrenta a Inquisição; Cristiano Banti (1857)


Estas ideias foram consideras heréticas, subversivas e perigosas, pois iam contra a doutrina estabelecida pela igreja. Perseguido pela inquisição, foi julgado pelo Santo Ofício e proíbido de divulgar as suas teorias. Obrigado a renegar aquilo em que acreditava, conseguiu evitar uma pena dura; Galileu viveu num sistema de prisão domiciliária até ao fim dos seus dias. À saída do julgamento terá proferido as palavras que ficaram para a história:

"Eppur si muove" - "No entanto ela move-se"

Da junção das palavras gregas "tele" (ver) e "scopio" (longe), o telescópio foi o objecto que permitiu ao homem mudar a maneira de ver o seu próprio mundo.

Por fim tenho que lembrar Rómulo de Carvalho; o homem de ciência encarnado em corpo de poeta:

Eu queria agradecer-te, Galileu,
a inteligência das coisas que me deste.
Eu,
e quantos milhões de homens como eu
a quem tu esclareceste,
ia jurar - que disparate, Galileu!
- e jurava a pés juntos e apostava a cabeça
sem a menor hesitação -
que os corpos caem tanto mais depressa
quanto mais pesados são.

Pois não é evidente, Galileu?
Quem acredita que um penedo caia
com a mesma rapidez que um botão de camisa ou que um seixo da praia?
Esta era a inteligência que Deus nos deu.

António Gedeão
Excerto de "Poema para Galileu"

2 comentários:

pinguim disse...

Hoje ainda há vários "galileus" a remarem contra a maré do conformismo e da verdade única...
Abraço.

wind disse...

Foi um home com uma grande visão para a sua época, daí ter enfrentado a inquisição.
António Gedeão, um grande poeta!
Beijos