sábado, 25 de agosto de 2007

EDUARDO PRADO COELHO

"Um homem que marcou a cultura portuguesa e abriu caminho à mudança e vanguarda"
Manuel Alegre

8 comentários:

gasolina disse...

Parabéns pela decoração renovada do Bairro!

Gostei muito!!!

Obrigado pelo tributo ao meu Professor. Ficámos mais mortais...

Passa no Flor: gostava que aceitasses o Certificado que te ofereço.

Um beijo

LEÃO DA ESTRELA disse...

Quando se diz que o Sporting é um clube das elites, isso também tem muito a ver com o facto de ter adeptos e simpatizantes intelectuais como EPC, sem pejo de assumir que gostam de futebol e que têm um clube. EPC não tinha preconceitos pseudo-intelectuais. Era capaz de escrever sobre o “nosso” Sporting e, mesmo assim, ser lido por quem detesta futebol. Porque quando escrevia sobre futebol abordava o fenómeno como uma pessoa normal, com coração, cabeça e estômago. Também por isso, sendo um homem assumidamente de esquerda, chegando, às vezes, a escrever como se de um “spin doctor” do PS se tratasse, era lido e respeitado em todos os quadrantes políticos. Desde a fundação do jornal “Público”, em 1990, EPC escrevia diariamente sobre as grandezas e as misérias da cultura, da política e da sociedade portuguesas, a partir dos episódios do quotidiano. Tinha amigos de estimação. E inimigos também. Como qualquer ser humano marcante e perene.

wind disse...

R.I.P.
Beijos

avelaneiraflorida disse...

Não era especialmente apreciadora da sua escrita, o que não impede que reconheça que o panorama literário português tenha perdido mais uma voz...

Um Bom FIm de SEmana...sem muita chuvinha!!!
Bjks

Ludovicus Rex disse...

A Cultura ficou mais pobre.

RIC disse...

Lamento muito que, no meu tempo de vida adulta, tenha visto desaparecer o pai e, agora, o filho.
Eduardo Prado Coelho é daqueles intelectuais portugueses com os quais sempre me foi fácil sintonizar, como por exemplo com Eduardo Lourenço. São homens íntegros, sinceros e honestos que não vergam os assuntos estudados ou abordados ao simples fluir das suas opiniões ou meras convicções.
A cultura portuguesa em geral e a área das letras em particular volta a ficar mais pobre. Mais órfã. Resta-nos o muito da sua obra...

CORCUNDA disse...

Foi pena. Era uma pessoa que admirava. A cultura posrtuguesa perde mais uma figura importante.
Abraço do Corcunda.

pinguim disse...

Estando fora do país, só agora tomei conhecimento do falecimento de EPC, que me habituei a ler na sua coluna do "Público". É mais um vulto da intelectualidade portuguesa que desaparece; o país ficou mais pobre.