segunda-feira, 14 de maio de 2007

NO TEMPO DO GIRA-DISCOS

NO TEMPO DO GIRA-DISCOS

A produção fonográfica portuguesa das décadas de 60 e 70 éstá a ser recordada no Museu da Música através de uma exposição de discos de vários géneros musicais, correspondendo ao primeiro grande levantamento de obras daquele período efectuado no nosso País.

A exposição pretende divulgar a música portuguesa das décadas de 60 e 70, a partir de uma selecção de discos efectuada pelos etnomusicólogos António Tilly e João Carlos Callixto onde não faltarão gravações de Simone de Oliveira, Carlos do Carmo, Sheiks, José Cid, Banda do Casaco, José Afonso e muitos outros, podendo algumas delas ser ouvidas pelos visitantes no decurso da exposição.

Organizada em conjunto com o Instituto de Etnomusicologia (INET) - centro de investigação integrado na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa (UNL) – e contando com a colaboração da RDP e de colecções particulares na cedência de discos, a exposição pretende igualmente homenagear algumas figuras fundamentais da música portuguesa daquelas décadas.

Outras informações em: MUSEU DA MÚSICA

DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS




E por falar em museus, dia 18 de Maio é o Dia Internacional dos Museus.

Como agora o IMC é o meu novo patrão tenho que fazer públicidade.


Museus e Património Universal é o tema que o ICOM – Conselho Internacional de Museus propõe este ano para as celebrações do 18 Maio, Dia Internacional dos Museus. A proposta de reflexão do ICOM, questiona o papel dos museus na preservação, estudo, documentação, valorização e comunicação de um património comum da Humanidade num mundo culturalmente tão diverso. Em Portugal, os museus dependentes do Instituto dos Museus e da Conservação e os restantes museus integrados na Rede Portuguesa de Museus associam-se a esta data oferecendo-lhe uma série de iniciativas que o convidarão a visitar os museus de forma diferente. Junte-se aos nossos museus e celebre connosco esta festa verdadeiramente universal ! A entrada é gratuita. Apareça !


21 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Adorei "aquele" gira-discos!!!!!
Ainda tenho um parecido...
Mas que meu deu ótptimos momentos...

Sobre os Museus...é optimo que haja um dia!!! o pior são muitas vezes oe restantes 364...

Bjks

Alma Nova disse...

Continuo a guardar religiosamente a minha colecção de LP's de vinil...quase como se de peças de museu se tratassem...e continuam a trazer-me momentos sempre novos nas memórias que encerram. Jokitas.

papagueno disse...

Avelaneira: A mim lembra-me o velhinho dos meus tios onde comecei a ouvir música pela primeira vez.
E tal como tu, Alma Nova, também eu guardo religiosamente os meus vinis. Um dia com tempo e paciência há que passar tudo para CD.

wind disse...

Ainda tenho singles e LP's de quando era criança:)
Boa divulgação que estás a fazer:)
Beijos

papagueno disse...

Wind, eu ainda tenho dois singles dos Credence que eu ouvia aos 6 ou 7 anos. Tenho também uma velha edição do Crime of the Century dos Supertramp com a capa quase desfeita e miraculosamente sem riscos.

Ludovicus Rex disse...

Muito bem meu amigo, a cultura é para ser divulgada. Um Grande Abraço

avelaneiraflorida disse...

É melhor eu não publicar a miha lista de preciosidades!!!!
Vocês roiam-se de inveja!!!!!!!!
Bjks

Mário Margaride disse...

Velhos tempos dos discos de vinil...

Ainda tenho meia dúzia deles. De discos claro...

Um abraço

Maria disse...

Parabéns pelo teu excelente trabalho no teu blog.
É sempre com imenso prazer que te visito.
Beijitos

rui disse...

bela dica. agradecido.

3vairado disse...

Visito este bairro pela primeira vez. Lamento enormemente não o ter feito há mais tempo. parabéns ao arquitecto e aos moradores.

(O meu gira-discos ainda é utilizado ocasionalmente. Gostava de ter um vivo.)

CORCUNDA disse...

Boa dica, desconhecia. Vou aproveitar.
Abraço.

CORCUNDA disse...

A propósito dos vinis, já que me esqueci de referir no outro meu comentário, ainda guardo e conservo religiosamente cerca de 200 LP's e alguns singles que até há bem pouco tempo ainda ía ouvindo, até que a agulha pifou.
Tenho alguns que posso afirmar categóricamente que têm uma qualidade sonora superior ao congénere CD.
Abraço.

Flash disse...

Como é possível um evento destes realizar-se sem a presença do DJ Flash!!!

Será que ninguém viu www.aternurados40.blogspot.com????

Abraço

A. Jorge disse...

E as as saudades que eu tenho de ir para o liceu com os discos no meio dos livros?...

Aposto que alguns de voçês também o fizeram!

Um abraço

Jorge

http://vagabundices.wordpress.com/

Antonio Delgado disse...

Amigo Papagueno,
é mesmo de museu o gira-discos que ilustra a postagem. Os meus discos de vinil e eram muitos dei-os a um amigo de peito que os estima e gosta de recupera aparelhagens é os seu hobby preferido. Assim estão "emprestadados". Foi um excelente momento ler esta postagem bem como os comentarios sobre os vinils que muito marcaram a nossa memória musical.

Um abraço

Maria disse...

Papagueno, que saudades dos discos e das agulhas que se mudavam e dos riscos que tentávamos limpar aflitos. Ainda tenho uns quantos, mas já não onde ouvir. Boa recordação (também a aparelhagem do Fred...). E boa sugestão para dia 18. Um beijinho.

Peste disse...

acrok saudades!!!

beijocas ao meu querido vizinho

Belzebu disse...

Ainda guardo religiosamente alguns discos de 16,33 e 45 rotações. Sim porque a música sempre fez parte dos "Quintos dos infernos".

eheh!! Um abraço infernal!

Moura ao Luar disse...

Ahah a primeira foto lembrou-me os flinstones :-)

XRéis disse...

Não tenho tido muito tempo, pois parece que temos a mesma entidade patronal...
Deixei uma surpresa no Alentejo... Volto com mais tempo...