terça-feira, 8 de maio de 2007

LAPIDADA!


A lapidação de uma rapariga de 17 anos da seita yazidí - uma antiga minoria religiosa curda que venera o Diabo- recrudesceu a violência no norte de Iraque. Doaa Aswad Dekhil apaixonou-se por um muçulmano e converteu-se ao islão com a intenção de casar-se com ele. De volta a casa, 2.000 pessoas de seu povo, Bashika, cerca da localidade de Mosul, observaram como um grupo de oito ou nove homens, supostamente da sua família, a apedrejaram até a morte enquanto um vizinho anónimo gravou a cena com um telemóvel.
A rapariga demorou 30 minutos a morrer.
Vergonha, Ira…

Afinal que mundo é este, onde estão os Direitos da Mulher?



Post roubado ao Ludovicus

8 comentários:

Ludovicus Rex disse...

Urge a nossa denuncia Meu Amigo, urge que defendamos a Mulher e os seus Direitos.

Um abraço

wind disse...

Não estão!
E por mais petições que se assinem, aqueles países têm outra cultura e infelizmente ninguém os pára:(
beijos

avelaneiraflorida disse...

Por cada mulher maltratada...devia apagar-se a luz de cada estrela!!!

Com a escuridão obrigatória...TALVEZ, alguns olhos começassem a abrir-se para VER e SENTIR!!!

Menina do Rio disse...

A sociedade não evoluiu tanto assim, infelizmente! Ou pelo menos não nos paises dominados pelas seitas religiosas. É questão de cultura.

beijos

Mário Margaride disse...

Olá papagueno,

O fundamentalismo religioso, levado ao extremo, é isto que resulta. Na minha opinião, as religiões que levam à letra os escritos bíblicos, dá nesta bestialidade.

Um abraço

Antonio Delgado disse...

Há momentos em que tenho vergonha de ser humano e quando tomei conhecimento desta noticia foi um deles. Não me fizeram de barro nem sou descendente de semelhante criatura.

Um abraço

Maria disse...

Triste demais... Já comentei no Momentos. Volto a afirmar aqui. Triste demais, hoje, com o nosso mundo... Um abraço.

A. Jorge disse...

Como eu não sou nem nunca fui politicamente correcto, acho que não vou dizer nada!
Isto são imagens que me revoltam de tal maneira que iria concerteza dizer algo que normalmente não se deve dizer e possivelmente ir-me-ia arrepender por ter uma língua tão comprida!

Um abraço

Jorge

http://vagabundices.wordpress.com/