quinta-feira, 19 de julho de 2007

QUE MÚSICA ESCUTAS TÃO ATENTAMENTE


Que música escutas tão atentamente
que não dás por mim?
Que bosque, ou rio, ou mar?
Ou é dentro de ti
que tudo canta ainda?
Queria falar contigo,
dizer-te apenas que estou aqui,
mas tenho medo,
medo que toda a música cesse
e tu não possas mais olhar as rosas.
Medo de quebrar o fio
com que teces os dias sem memória.
Com que palavras
ou beijos ou lágrimas
se acordam os mortos sem os ferir,
sem os trazer a esta espuma negra
onde corpos e corpos se repetem,
parcimoniosamente, no meio de sombras?
Deixa-te estar assim,
ó cheia de doçura,
sentada, olhando as rosas,
e tão alheia
que nem dás por mim.

Eugénio de Andrade
Imagem: Olhares.com

9 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Quase diria que é uma DAS MAIS BONITAS do nosso Eugénio!!!!!!

Mas não consigo....porque as outras também o são!!!! e tão intensamente!!!!!

Talvez porque, no momento, esta parece "tocar" mais fundo...

Bela ESCOLHA, papagueno!!!!!!

Anônimo disse...

Belo!
Beijos
sagitariana

Miguel disse...

Quem será ...!?

Um abraço da M&M & Cª!

3vairado disse...

Ficar calado a ouvir as palavras, lentamente.
Não consigo ler eugénio e ouvir a força dos xutos.
Não basta eugénio?

Gi disse...

Sabe bem abrir um blog e (re)lê-lo, não cansa nunca. Tenho-o sempre tão presente ...

Um beijinho e noite feliz

A. Jorge disse...

Fantático!
Optima escolha!

Abraço

Jorge

http://vagabundices.wordpress.com/

Belzebu disse...

Excelente escolha do nosso saudoso Eugénio de Andrade. Com a partida dele, a minha cidade do Porto ficou mais pobre! Mas temos sempre a sua obra, para nos deliciar!

Um abraço infernal!

XRéis disse...

Ficar sentada olhando as rosas...
Lindo... Nem é necessário musica...
Bom fim de semana

Anônimo disse...

"O Silêncio" do mesmo autor seria uma eventual resposta a interrogações que, por força das circunstâncias, permanecerão retóricas.
Quanto à presença física de Eugénio, e comentando belzebu, tivemos o privilégio do seu contemplativo e tranquilo deambular pelas ruas da nossa cidade. Só por isso nos devemos sentir afortunados..a doçura per/re/subsiste :)
Ana