quinta-feira, 5 de abril de 2007

NÃO TE QUERO SENÃO PORQUE TE QUERO


Não te quero senão porque te quero,
e de querer-te a não te querer chego,
e de esperar-te quando não te espero,
passa o meu coração do frio ao fogo.
Quero-te só porque a ti te quero,
Odeio-te sem fim e odiando te rogo,
e a medida do meu amor viajante,
é não te ver e amar-te,
como um cego.

Tal vez consumirá a luz de Janeiro,
seu raio cruel meu coração inteiro,
roubando-me a chave do sossego,
nesta história só eu me morro,
e morrerei de amor porque te quero,
porque te quero amor,
a sangue e fogo.

Pablo Neruda

5 comentários:

wind disse...

Belo e a foto muito bem conjugada, o "nó" do amor:)
beijos

Moura ao Luar disse...

Amor amor amor amor quero quero quero

Ludovicus Rex disse...

O Amor...o amor...
Um abraço

citizenmary disse...

Espera-se sempre mesmo quando não se espera. Bem verdade, D. Pablo. Um beijo.

Mário Margaride disse...

Pablo Neruda...o poeta do amor, sempre...

Um abraço