sábado, 21 de junho de 2008

O MEU PÉ DE LARANJA LIMA


"— Mas que lindo pezinho de Laranja Lima! Veja que não tem nem um espinho.
Ele tem tanta personalidade que a gente de longe já sabe que é Laranja Lima. Se eu fosse do seu tamanho, não queria outra coisa.
— Mas eu queria um pé de árvore grandão.
— Pense bem, Zezé. Ele é novinho ainda. Vai ficar um baita pé de laranja. Assim ele vai crescer junto com você. Vocês dois vão se entender como se fossem dois irmãos.
Você viu o galho? É verdade que o único que tem, mas parece até um cavalinho feito pra você montar.
Estava me sentindo o maior desgraçado da vida. (...)... Sempre eu tinha que ser o último.
Quando crescesse iam ver só. Ia comprar uma selva amazónica e todas as árvores que tocavam no céu, seriam minhas.(...)
Emburrei. Sentei no chão e encostei a minha zanga no pé de Laranja Lima. Glória se afastou sorrindo.
— Essa zanga não dura, Zezé. Você vai acabar descobrindo que eu tinha razão.
Cavouquei o chão com um pauzinho e começava a parar de fungar. Uma voz falou vindo de não sei onde, perto do meu coração.
— Eu acho que sua irmã tem toda a razão.
— Sempre todo mundo tem toda a razão. Eu é que não tenho nunca.
— Não é verdade. Se você me olhasse bem, você acabava descobrindo.
Eu levantei assustado e olhei a arvorezinha. Era estranho porque sempre eu conversava com tudo, mas pensava que era o meu passarinho de dentro que se encarregava de arranjar fala.
— Mas você fala mesmo?
— Não está me ouvindo?
E deu uma risada baixinha. Quase saí aos berros pelo quintal. Mas a curiosidade me prendia ali.
— Por onde você fala?
— Árvore fala por todo canto. Pelas folhas, pelos galhos, pelas raízes. Quer ver? Encoste seu ouvido aqui no meu tronco que você escuta meu coração bater. Fiquei meio indeciso, mas vendo o seu tamanho, perdi o medo. Encostei o ouvido e uma coisa longe fazia tique... tique...
— Viu?
— Me diga uma coisa. Todo mundo sabe que você fala?
— Não. Só você.
— Verdade?
— Posso jurar. Uma fada me disse que quando um menininho igualzinho a você ficasse meu amigo, que eu ia falar e ser muito feliz.
— E você vai esperar?
— O quê?
— Até eu me mudar. Vai demorar mais de uma semana. Será que você não vai se esquecer de falar nesse tempo?
— Nunca mais. Isto é, para você só. Você quer ver como eu sou macio?
— Como é que...
— Monte no meu galho. Obedeci.
— Agora, dê um balancinho e feche os olhos.
Fiz o que mandou.
— Que tal? Você alguma vez na vida teve cavalinho melhor?
— Nunca. É uma delícia. Até vou dar o meu cavalinho Raio de Luar para meu irmão menor. Você vai gostar muito dele, sabe?
Desci adorando o meu pé de Laranja Lima.
— Olhe, eu vou fazer uma coisa. Sempre quando puder, antes de mudar, eu venho dar uma palavrinha com você... Agora preciso ir, já estão de saída lá na frente.
— Mas, amigo não se despede assim.
— Psiu! Lá vem ela.
Glória chegou mesmo na hora em que eu o abraçava.
— Adeus, amigo. Você é a coisa mais linda do mundo!
— Não falei a você?
— Falou, sim Agora se vocês me dessem a mangueira e o pé de tamarindo em troca da minha árvore, eu não queria.
Ela passou a mão nos meus cabelos, ternamente.
— Cabecinha, cabecinha!...
Saímos de mãos dadas.
— Godóia, você não acha que sua mangueira é meio burrona?
— Ainda não deu para saber, mas parece um pouco.
— E o pé de tamarindo de Totoca?
— É meio sem jeitão, por quê?
— Não sei se posso contar."

José Mauro de Vasconcelos . "O Meu Pé de Laranja Lima"

Devia ter 10 ou 11 anos, não me lembro da cara nem do nome da professora, mas recordo-me que uma vez por semana havia sempre uma aula dedicada á leitura. Foi ai que conheci a história do Zezé, do Portuga e do pé de laranja lima.
Nunca deixamos de ser crianças e a história continua hoje a ter tanto encanto como dantes.

13 comentários:

pinguim disse...

Um dos mais belos livros que já li.
Abraço.

wind disse...

Belíssima esta passagem!
Beijos

avelaneiraflorida disse...

Que boa recordação!!!!!!
Quantas vezes li e reli este livro lindo!!!

Ainda este ano falei dele aos meus "besouros" e ...acabei relendo algumas passagens!!!!
O que pode valer a AMIZADE!!!!
"Brigados" Amigo!!!
Bjkas!

Maria disse...

Papagueno, que lembrança doce, que dia a começar bem, visitar um amigo e encontrar outro. Já sorrio e ainda mal acordei. Tenho que o reler, tenho que o procurar, é um livro-ternura... Obrigado*

Sophiamar disse...

Uma excelente recordação. Quantas vezes reli este livro, nas aulas de leitura quinzenal e nas de biblioteca de turma.

Obrigada, amigo!

Bom fim de semana!

Beijinhos

Maria Faia disse...

Olá Papagueno,

Belo excerto dessa obra inesquecível que é o "Meu Pé de Laranja Lima". Zezé e a sua família numerosa e pobre ensinam-nos os valores da Amizade e da partilha, valores que, nos tempos de hoje, se vão trocando plo poder dos interesses, pelo individualismo e egocentrismo crecentes na sociedade de consumo e consumista em que vivemos.
Felizmente que ainda há quem se recorde, viva e relembre esses valores tão iportantes e dignificantes insertos na obra que nos relembras.

Deixo-te um abraço amigo, com votos de um fim de semana feliz e,
Até sempre!

Maria Faia

Vieira Calado disse...

Estes textos brasileiros são deliciosos. Estou a lembrar-me de Menino do Engenho do Lins do Rego.
Um abraço

Mandillo disse...

Ia falhando este post!???
Pois, como me vou apercebendo, partilhamos muitas preferência, e O meu pé de laranja lima é essência de Amor!
Já o vi em filme , também é muito bonito.
Ontem ,voltei a ver o Cineparadiso, e as amizades entre adulto/Mestre e Aprendiz, em algo são semelhantes.
Que lindo!
As crinças são lindas

Anônimo disse...

Olá, isto é uma grande coincidência, eu também soube deste livro através da minha professora no ciclo preparatório no Porto.
Ela lia todas as semanas talvez um capítulo, e claro, eu tive que comprar o livro. Nunca mais consegui esquecer esta maravilhosa obra de arte.
Agora com 45 ano estava a tentar compra-lo para o ler às minhas filhas de 7 e oito anos.
Um abraço daqui da Austrália (onde vivo agora)
José Rebelo (Zé Manel).

papagueno disse...

Amigo Zé Manel obrigado pela visita, ainda mais vinda de um sitio tão longínquo e tão bonito.
Um abraço.

Músico Guerreiro disse...

Tenho o livro e ainda hoje me comovo e choro quando o leio.

papagueno disse...

Músico Guerreiro: É realmente uma história muito tocante.
Obrigado pela visita.
Um abraço.

May Borges disse...

Eu amo esse livro. É uma das obras literárias mais lindas que já li. Chorei bastante com a história maravilhosa.