quarta-feira, 20 de agosto de 2008

UMA PRIMAVERA QUE NUNCA CHEGOU AO VERÃO


Há quarenta anos os tanques soviéticos calavam o grito de liberdade de um povo.


Faz hoje precisamente 40 anos que os tanques da União Soviética esmagaram os ventos de mudança da Primavera de Praga, liderada por intelectuais reformistas do Partido Comunista da Checoslováquia, onde se destacou Alexander Dubcek.
Foram oito meses de uma brisa liberal, apoiada pela população, um período de abertura e esperança para todos os checos.

A nova direcção do Partido Comunista da Checoslováquia, chefiada por Alexander Dubcek, tornou pública uma série de reformas democráticas que alargavam as liberdades políticas e sociais no país.

Nesta altura foi também determinada a federalização da Checoslováquia em duas repúblicas distintas. Essa, aliás, foi a única reforma da Primavera de Praga que sobreviveu.

O objectivo de Alexander Dubcek era remover todos os vestígios de despotismo, que considerava uma aberração do sistema socialista imposto ao país pela URSS, após a Segunda Guerra Mundial (1941-1945).

Perante as mudanças, a Rússia enviou tanques e tropas de países do Pacto de Varsóvia para acabar com essa ameaça à hegemonia política da União Soviética.

Na noite de 20 para 21 de Agosto de 1968 sete mil tanques entraram na Checoslováquia. O exército desmobilizou por ordem do poder, mas o povo continuou a lutar.

O primeiro-ministro Ducchek foi preso, assim como outros dirigentes checos. No conflito morreram 72 checoslovacos.

Texto: TSF
Fotos: Josef Koudelka

5 comentários:

pinguim disse...

Esta foi a génese daquilo a que mais tarde se chamou a Revolução de Veludo, que derrubou o comunismo na então Checoslováquia.
Abraço.

Carlos Carmo disse...

Visite este novo espaço de Opnião... Opinion Shakers

http://opinionshakers.blogspot.com

wind disse...

Sempre a ditadura soviética!

Zé Povinho disse...

Demorou muito a chegar a Liberdade, mas ficou a semente que viria a germinar.
Abraço do Zé

Menina do Rio disse...

Enfim, a primavera!

Quanto tempo não venho aqui. mas sempre é tempo.

Um beijo pra ti