domingo, 28 de outubro de 2007

PENÉLOPE

Henri de Toulouse-Lautrec
"La Toilette"

Mais do que um sonho: comoção!
Sinto-me tonto, enternecido,
quando, de noite, as minhas mãos
são o teu único vestido.

E recompões com essa veste,
que eu, sem saber, tinha tecido,
todo o pudor que desfizeste
como uma teia sem sentido;
todo o pudor que desfizeste
a meu pedido.

Mas nesse manto que desfias,
e que depois voltas a pôr,
eu reconheço os melhores dias
do nosso amor.

David Mourão-Ferreira

6 comentários:

wind disse...

Um dos poemas mais bonitos de DMF e bala tela:)
Beijos

wind disse...

*bela

avelaneiraflorida disse...

DMF tem poesias realmente extraordinárias!!!!!

Esta é uma delas!
E como não poderia deixar de ser associada a uma bela pintura!!!

Ainda bem que nos deixas aqui este post, Amigo Papagueno!!!!
Bjks

Gi disse...

DMF , um dos meus eleitos, hoje também está no meu cantinho.

E que belo vestido este que ele aqui nos deixa.

Beijinhos

Alma Nova disse...

Aqui respira-se amor!
Jokitas.

pinguim disse...

Dois grandes nomes masculinos que centraram todas as suas obras na Mulher.