quarta-feira, 23 de julho de 2008

O BRINCO DA TUA ORELHA

A Rapariga do brinco de Pérola(1665)
Johannes Vermeer (1632-1675)


O brinco da tua orelha
Sempre se vai meneando;
Gostava de dar um beijo.
Onde o teu brinco os vai dando.
Tem um topázio doirado
esse brinco de platina;
Um rubi muito encarnado,
e uma outra pedra fina.
O que eu sofro quando o vejo
sempre airoso meneando!
Dava tudo por um beijo
onde o teu brinco os vai dando.

António Botto
"Tristes Canções de Amor"
"Canções e Outros Poemas"
Edição, cronologia e introdução de Eduardo Pitta.

3 comentários:

wind disse...

Tão popular e engraçado:)
Beijos

pinguim disse...

Acho que é dos poemas mais ambíguos de Botto, apesar dele não necessitar minimamente disso...
É uma opinião pessoal, claro.
Abraço.

pin gente disse...

se um beijo recebesse
no mesmo local do brinco
as cócegas de arrepio
que pelo meu corpo sinto
o brinco que é de ouro
esconde-se na orelha
quando se aproxima o beijo
arrebita qual besouro
envolve-se nos teus lábios
sempre cheio de desejo
e se o beijo não chega
o brinco também não vejo


um abraço
luísa