domingo, 20 de julho de 2008

ESTRADA DE SINTRA


Ao volante do Chevrolet pela estrada de Sintra,
Ao luar e ao sonho, na estrada deserta,
Sozinho guio, guio quase devagar, e um pouco
Me parece, ou me forço um pouco para que me pareça,
Que sigo por outra estrada, por outro sonho, por outro mundo,
Que sigo sem haver Lisboa deixada ou Sintra a que ir ter,
Que sigo, e que mais haverá em seguir senão não parar mas seguir?
Vou passar a noite a Sintra por não poder passá-la em Lisboa,
Mas, quando chegar a Sintra, terei pena de não ter ficado em Lisboa.
Sempre esta inquietação sem propósito, sem nexo, sem conseqüência,
Sempre, sempre, sempre,
Esta angústia excessiva do espírito por coisa nenhuma,
Na estrada de Sintra, ou na estrada do sonho, ou na estrada da vida...

Maieável aos meus movimentos subconscientes do volante,
Galga sob mim comigo o automóvel que me emprestaram.
Sorrio do símbolo, ao pensar nele, e ao virar à direita.
Em quantas coisas que me emprestaram eu sigo no mundo
Quantas coisas que me emprestaram guio como minhas!
Quanto me emprestaram, ai de mim!, eu próprio sou!

À esquerda o casebre — sim, o casebre — à beira da estrada
À direita o campo aberto, com a lua ao longe.
O automóvel, que parecia há pouco dar-me liberdade,
É agora uma coisa onde estou fechado
Que só posso conduzir se nele estiver fechado,
Que só domino se me incluir nele, se ele me incluir a mim.

À esquerda lá para trás o casebre modesto, mais que modesto.
A vida ali deve ser feliz, só porque não é a minha.
Se alguém me viu da janela do casebre, sonhará: Aquele é que é feliz.
Talvez à criança espreitando pelos vidros da janela do andar que está em cima
Fiquei (com o automóvel emprestado) como um sonho, uma fada real.
Talvez à rapariga que olhou, ouvindo o motor, pela janela da cozinha
No pavimento térreo,
Sou qualquer coisa do príncipe de todo o coração de rapariga,
E ela me olhará de esguelha, pelos vidros, até à curva em que me perdi.
Deixarei sonhos atrás de mim, ou é o automóvel que os deixa?

Eu, guiador do automóvel emprestado, ou o automóvel emprestado que eu guio?

Na estrada de Sintra ao luar, na tristeza, ante os campos e a noite,
Guiando o Chevrolet emprestado desconsoladamente,
Perco-me na estrada futura, sumo-me na distância que alcanço,
E, num desejo terrível, súbido, violento, inconcebível,
Acelero...
Mas o meu coração ficou no monte de pedras, de que me desviei ao vê-lo sem vê-lo,

À porta do casebre,
O meu coração vazio,
O meu coração insatisfeito,
O meu coração mais humano do que eu, mais exato que a vida.

Na estrada de Sintra, perto da meia-noite, ao luar, ao votante,
Na estrada de Sintra, que cansaço da própria imaginação,
Na estrada de Sintra, cada vez mais perto de Sintra,
Na estrada de Sintra, cada vez menos perto de mim...

Álvaro de Campos
Lido por aqui: Zé Povinho
Imagem: CMS

11 comentários:

FB disse...

Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência. Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão.

tulipa disse...

Amigo
Hoje, ao fim de um dia particularmente triste, abeiro-me da janela, neste momento e olhando a lua, as palavras sairam:

Esta noite a lua
chama por mim
Ela sabe como eu gosto
Quando está
em lua cheia
O seu brilho, o luar
Enfeitiçam-me.
Intensamente.
Despertam os desejos
Em mil carícias
Num ritual inebriante
Em que os meus lábios
Chamam por ti...

Beijinhos

avelaneiraflorida disse...

Amigo Papagueno,

Mesmo com "preguiça" eis que fica um post lindo!

Um poema lindo para um espaço que eu adoro: SINTRA! E de cada vez que a visito descubro-lhe novos motivos a que me rendo...
Mas não nas "aberrações" que a descaracterizam...em nome de um pretenso "modernismo"!!!

bjkas!

Magnolia disse...

Às sete para as cinco, aconteceu a revelação mais curta da história do Edifício Magnólia. Queres espreitar?

Magnolia disse...

Quando se põe Álvaro de Campos numa postagem há sempre algo de brilhante que fica no blog :)

wind disse...

Sublime este poema!:)
A foto também é linda:)
Belo post:)
Beijos

pinguim disse...

Pessoa é grande, maior é com seus heterónimos; mas, sei que parece heresia, mas não é, mais de metade da poesia que leio na blogosfera é "pessoana"...
Prefiro ouvir a voz inconfundível de L. Cohen neste magnifico " Take this Waltz"...
Abraço.

Mandillo disse...

Olá Papagueno,desconhecia este poema, logo e mais uma vez agradecida.
Tantas vezes me sinto assim tal e qual, quando venho para casa, na batalha interior entre saber e querer realmente deixar de sofrer.

DE Colares/ Sintra

Fica um beijo

tulipa disse...

AMIGO

ADORO LEONARD COHEN.
Obrigado pela partilha.

Por onde andas, fugiste?

Para quem me visita com assiduidade e me acompanha há meses, já falei da minha sobrinha.
Virtualmente muitos de vós já a conhecem.
Desta vez, convido-vos a visitar um novo blog que ela criou, está muito interessante.
http://baudasbugigangas.blogspot.com/

Aqui fica um suave beijinho, ao som de Leonard Cohen.

gasolina disse...

Parto por essa estrada que nos ofereces guiada pela mão de Álvaro.Talvez ache o tempo que me escapa...


Mas com tempo de te deixar um beijo.
BEIJO

Anônimo disse...

[url=http://industrialauto.webng.com/plc-books.html]plc books[/url] gambols. knew him as well as I do, he would amuse you.' [url=http://tennis-avenue.cphoster.com/challenger-tennis-live-scores.html]Challenger tennis live scores[/url] you.' [url=http://industrialauto.webng.com/index158.html]simatic op[/url] coming down, till after the turn, and that's at half after four. I'll [url=http://tennis-avenue.cphoster.com/tennis-equipment-history.html]Tennis equipment history[/url] Tippins on one side of him and the bride's aunt on the other, finds [url=http://tennis-avenue.cphoster.com/russian-ranking.html]Russian ranking[/url]
foreheads to Mr Boffin or Lady. The gaping salmon and the golden mullet