sexta-feira, 30 de maio de 2008

MAY 68, AFFICHES









Maio está a acabar e nós a precisar de uma nova revolução.

9 comentários:

pinguim disse...

Maio de 68 foi uma coisa única, filha de ums série de circunstâncias absolutamente especiais, no tempo que se vivia e que foi depois uma alavanca para se transformar num emblema de toda uma geração descontente e não só da população estudantil que a iniciou.
Qualquer associção desse período à situação actual portuguesa parece-me demagógica, pois nem o problema tem a mesma génese, e principalmente falta-lhe o que sobrou então: generosidade e pureza de uma juventude que se viu ignorada e se revoltou por isso, nem a solução me parece ser a "rua"; as razões de uma situação de crise económica que todos sentimos estar a agravar-se e que se está a tornar também em crise social é essencialmente estrutural e depende em grande parte de uma cinjuntura mundial a que u«infelizmente as políticas internacionais conduziram; estamos à beira de uma crise económica e social de proporções ainda desconhecidas, mas muito graves, que devem fazer unir governos e populações e não, com intuitos, quanto a mim, actualmente desadequados, se procura a qualquer preço tirar dividendos políticos. Berrar só por berrar e não apresentar soluções (que não são fáceis) é a actual situação da politica das oposições em Portugal.
Portugal 2008 é grave, muito grave mesmo, mas nunca será, por tudo o que isso representou e por tudo o que a actual situação económica mundial representa, associávrl ao Maio de 1968 em França!

papagueno disse...

Pinguim: Não quero comparar o Maio de 68 com o que se está a passar agora, são duas realidades diferentes.
A actual crise, na minha opinião não tem apenas causas exteriores. Todos os governos das últimas décadas falharam redondamente nas suas políticas e este não parece ser diferente.
Quanto à juventude, continua abandonada e a sociedade está mesmo a precisar de um abanão.
Um abraço

wind disse...

Uma bela colecção de autocolantes que aqui colocaste e concordo contigo, já o digo ao tempo, precisamos de outra revolução!
Beijos

avelaneiraflorida disse...

Amigo Papagueno,

e estes cartazes são bem significativos dum tempo em que o mundo sofreu um "abanão"!!!!
Hoje, o mundo apenas tem memórias...e que não devem perder-se!!!
bjkas!!

Zé Povinho disse...

As revoluções são sempre diferentes, como os problemas que as originam. Há razões para protestar, isso ninguém nega, mas não é ao povo que devem pedir que encontre as soluções específicas. Se os políticos não têm soluções, então afastem-se, não continuem agarrados ao poder.
Deixo aqui um link interessante que dá que pensar
http://ecosecomentarios.blogspot.com/2008/05/artigo-de-mario-crespo-dn-2652008.html
Bom domingo
Abraço do Zé

3vairado disse...

gosto da pureza e da simplicidade destes cartazes.
Obrigado por no-los mostrar.
Concordo com a necessidade de uma revolução; duvido de uma como a de 68; recordo que a grande maioria das revoluções termina comendo e matanto os seus filhos.
só há revolução quando começa pelo interior...

Ema Pires disse...

Aqui falta um: "Prohibido prohibir"
Beijinhos

ANTONIO DELGADO disse...

Boa reportagem visual...do Maio Frances...

um abraço
António

Mandillo disse...

De curieuses affiches!!!
Je n' avais jamais vu!!!
Merci!
En tout cas, j' ai un manisfeste au mai 68, écrit par Pasolini, qui nous montre un point de vue....diferent, je te le ferai arriver.