sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

A FEIRA DOS IMORTAIS


«A imortalidade é uma forma de ditadura da vida sobre a morte. Sendo ditador e vivo, só me resta tornar-me imortal. E hei-de sê-lo!
Nem que morra para isso!»

J.F Choublanc (Escritos diversos), Paris 2023
Imagem: Enki Bilal

7 comentários:

Maria disse...

"Who lives forever anyway?". Boa reflexão, gosto de Bilal, o corvo está de génio. Quem somos nós do outro lado do espelho?

Beijinho, Papagueno.

wind disse...

Que génio e que paradoxo final:)
Beijos

avelaneiraflorida disse...

IMORTALIDADE?????

uma questão que não me é fácil abordar!!!!
SER-se na totalidade, de qual das nossas formas??????

Difícil!
Bjkas

Belzebu disse...

Pois eu nesse tipo de coisas também não estou disposto a abdicar! Até porque comigo a questão da imortalidade nem se põe!

eheheh!! Aquele abraço infernal!

pinguim disse...

Bilal sempre foi o meu autor preferido da BD.
Abraço.

gasolina disse...

E mai nada!

Tá dito, tá dito!

Agora ser imortal deve dar um tédio de morte, não?!

Beijinhos, bom fds!

confra-ria disse...

O ZÉCA tornou-se imortal e a morte serviu-lhe de trampolin para essa condição.A morte não lhe virou as costas foi fiel cumpriu o seu papel,o mesmo não de pode dizer dos homens para quem ele tanto lutou.
ps. A morte é mais viva que a propia vida.No fundo a morte nunca morre esta sempre presente...